O Clube

A FUNDAÇÃO DE UM GRANDE CLUBE

"Porque não criarmos um clube?", teria sugerido Luiz Pinto Chaves Barcellos – um magnífico personagem que fez história no Rio Grande do Sul. No dia 7 de abril de 1929, acontecia na Liga Náutica Rio-Grandense a reunião de fundação de um novo clube náutico, onde traçavam os primeiros planos para a organização daquele que viria a ser um dos maiores clubes do Estado.

A proposta inicial do Gaúcho era envolver a comunidade do bairro Menino Deus, porém, as pretensões se expandiram muito além para toda a cidade. Na tarde da reunião, os oito amigos começaram a tratar dos detalhes fundamentais para o início da nova entidade. Inicialmente, o presidente, por votação unânime, Luiz Pinto Chaves Barcellos foi eleito, que por sua vez escolheu Zeferino Ribeiro como secretário. O recém-empossado presidente declarou fundada a nova agremiação. Logo após foi necessária a definição do nome. Também por unanimidade passaram a denominá-lo de GRÊMIO NÁUTICO GAÚCHO.

Assim, nascia o Grêmio Náutico Gaúcho, às vésperas de acontecimentos históricos no Brasil e no mundo. No dia 16 de maio de 1929, na terceira reunião de diretoria, o Gaúcho já tinha sua sede própria. Situada na Av. Praia de Belas, 1890, uma pequena casa foi o início deste grande clube que hoje possui 79.517,76m², somando as áreas das sedes Social – Av. Praia de Belas e Campestre – Chapéu do Sol. Luiz Pinto Chaves Barcellos, o primeiro presidente foi, sem dúvida, um dos principais incentivadores que impulsionaram o clube ao sucesso que ele representa atualmente. Homem de alto poder aquisitivo, financiou os primeiros bens do GNGaúcho.

Em seguida, o Gaúcho encampou a sede da “Volta do Gasômetro”, de propriedade do antigo Tênis Grêmio Sulina. Esta sede se transformou no palco de grandes e importantes festas sociais do GNGaúcho em suas três primeiras décadas de vida. Na velha rua Pantaleão Teles, número 97, atual Washington Luís, a sede do Gasômetro era construída com dois pisos. No andar térreo, guardavam-se os barcos a remo – antes obrigados num galpão na Praia de Belas – e a parte de cima era o local dos eventos sociais e das famosas reuniões dançantes e bailes de carnaval. Assim, o Grêmio Náutico Gaúcho completava seu primeiro ano de existência e seguiria seu rumo vitorioso. No início, a proposta dos fundadores era de criar um clube esportivo, mas o GRÊMIO NÁUTICO GAÚCHO se caracterizou como uma referência de grandes festas e encontros sociais.

A BANDEIRA

Coerente com o nome da nova entidade, foi escolhida as mesmas matizes da bandeira do Rio Grande do Sul – verde, amarelo e vermelho. Desta maneira, houve acordo de todos os presentes. O símbolo do Gaúcho foi assim descrito, na ata de fundação: “...as cores (...) serão dispostas, horizontalmente e respectivamente, em tiras verdes, amarelas e encaradas, tendo no canto um triângulo, cuja base ficará voltada para o mesmo canto, contendo oito estrelas, simbolizando as mesmas, o número de fundadores do Grêmio”.




O SÍMBOLO

O símbolo do Grêmio Náutico Gaúcho foi formado por um escudo com listras verticais nas cores vermelha e verde, sobre o contorno amarelo, conforme as cores do Rio Grande do Sul. O nome do clube bordado em ouro e o ano de fundação no centro do desenho.



SEDES


O Grêmio Náutico Gaúcho possui hoje uma grande estrutura. A sede do bairro Menino Deus, na Av. Praia de Belas, com aproximadamente 11.000m² e a Sede Campestre, em Belém Novo, com 68.517,76m², formam um complexo esportivo e de lazer que o clube oferece aos seus associados.


Em 1992, na gestão de José Erni Severgnini de Souza, o Grêmio Náutico Gaúcho adquiriu sua Sede Campestre. Este outro espaço do clube oferece aos associados aproximadamente 8 hectares de um belíssimo e harmonioso cenário.